Dor na face e mandíbula

Estudo da UFSCar oferece tratamento para mulheres que têm dor na face e mandíbula.

Dor na face e mandíbula

Entenda o que que causa dor na face e mandíbula.

Pesquisa vai utilizar protocolos de exercícios que podem melhorar a dor crônica das participantes.

Uma pesquisa de doutorado, desenvolvida no Programa de Pós-Graduação em Fisioterapia (PPGFt) da UFSCar, está buscando voluntárias para participarem de estudo que tem por objetivo avaliar a efetividade de dois protocolos de exercício na redução da dor e incapacidade de mulheres com disfunção temporomandibular (DTM). Serão ofertadas 16 sessões gratuitas e a expectativa é a redução das dores, incapacidade e outros sintomas relacionados à DTM. 

A pesquisa é conduzida por Luiz Felipe Tavares, sob orientação de Ana Beatriz de Oliveira, docente do Departamento de Fisioterapia (DFisio) e Reitora da UFSCar. 

O que causa dor na face e mandíbula?

De acordo com o pesquisador, as causas da DTM são multifatoriais e incluem diversos aspectos como sociais, cognitivos, biológicos e emocionais. "Diferentes aspectos têm sido relatados como possíveis fatores de risco para DTM, tais como hábitos parafuncionais (ex: mascar chicletes, roer unhas), má oclusão e estresse emocional, trauma físico, hipermobilidade articular e tempo prolongado na cadeira de tratamento odontológico", exemplifica Tavares. Ele complementa que o estudo optou por avaliar apenas as mulheres visto que esse público tem cerca de 2,5 vezes mais chances de dor orofacial. "Isso pode ser parcialmente explicado por fatores físicos, emocionais e hormonais. Entretanto, o tratamento depende mais da causa e do diagnóstico específico do que do sexo", aponta.

O que fazer para aliviar dores na face e mandíbula?

Tavares explica que exercícios de fortalecimento dos músculos da cabeça e pescoço e a terapia manual têm efeitos positivos já conhecidos na redução das dores orofaciais. Além disso, o pesquisador afirma que os exercícios aeróbicos - como caminhar ou pedalar - também oferecem benefícios diretos na redução da dor em pacientes crônicos, melhorando a qualidade de vida e saúde mental de pessoas com diversas patologias como fibromialgia, obesidade, depressão e dores de cabeça. "Entretanto, ainda não se sabe quais os efeitos de adicionar os exercícios aeróbicos aos exercícios para o pescoço em pessoas com DTM. Explicar aos pacientes que atividade aeróbica tem o potencial de redução de dor pode ser tranquilizador e motivador", relata Luiz Felipe Tavares.

Qual o tratamento para dor na face e mandíbula?

O pesquisador comenta que a inserção de um tratamento multimodal, que inclua a aptidão aeróbica juntamente com exercícios de força e flexibilidade, tem melhorado a funcionalidade significativamente. "Conhecer estes efeitos no tratamento de mulheres com DTM é o objetivo principal da nossa pesquisa", reforça.

Tavares aponta que, tradicionalmente, profissionais da saúde utilizam fármacos como primeira forma de tratamento e, muitas vezes, subestimam a atividade física como primordial no combate à dor crônica. "Deve-se lembrar que o exercício aeróbico é uma opção de tratamento com poucos efeitos adversos que pode promover melhora na severidade da dor e capacidade funcional de pacientes com dor crônica", destaca. Diante disso, a expectativa da pesquisa é que os protocolos de exercícios propostos sejam eficazes na redução das dores, incapacidade e outros sintomas relacionados à DTM. "Assim, profissionais de saúde e, principalmente, fisioterapeutas poderão aplicar os resultados da pesquisa em sua prática clínica", comenta o pesquisador sobre os resultados do estudo e sua aplicabilidade.

Sobre a pesquisa, Voluntárias: Para desenvolver a pesquisa, estão sendo convidadas mulheres, entre 18 e 55 anos de idade, com queixa de dor na região da face e mandíbula. As participantes não podem estar fazendo ou ter feito recentemente outros tipos de tratamento para coluna cervical, articulação temporomandibular, ou mesmo uso de aparelhos ortodônticos. Algumas outras patologias cardiovasculares, que impedem a realização de exercício físico, e reumatológicas, como fibromialgia, por exemplo, também são motivos para não-inclusão no estudo.

Inicialmente, as voluntárias serão diagnosticadas e avaliadas e, posteriormente, passarão por 16 sessões de intervenção presencial na UFSCar, duas vezes por semana. Ao final das sessões, as participantes serão reavaliadas. As interessadas em participar da pesquisa devem preencher este formulário eletrônico (bit.ly/dor_mandibula) ou entrar em contato pelo WhatsApp (16) 99168-2177. Projeto aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da UFSCar (CAAE: 53219021.0.0000.5504).

Crédito Foto: Freepik