Como evitar a surdez precoce

A especialista Dra Rita de Cassia nos conta como evitar a surdez precoce e seus tratamentos.

A audição é o primeiro sentido do corpo humano que se constitui no bebê, quando ele ainda está dentro da barriga da mãe. Por isso, ao nascer, a criança é capaz de reconhecer a voz da sua progenitora e do seu pai, que durante a gestação promovem estímulos sonoros. 

Fique atenta e saiba como evitar a surdez precoce no seu bebê.

"É importante que os pais conversem com o bebê antes do nascimento para que ele acostume com o som destas vozes e se sinta mais protegido após o nascimento", destaca a otorrinolaringologista e otoneurologista Rita de Cássia Cassou Guimarães, de Curitiba. 

Ouvir é um sentido fundamental para o desenvolvimento da comunicação. 

"Sem a audição, o processo de desenvolver a fala e de aprendizado podem ser prejudicados. As alterações na saúde auditiva podem afetar de modo negativo a educação da criança se não houver tratamento e acompanhamento adequado. As consequências da perda de audição são devastadoras", observa a médica.

No Brasil, cerca de 15% das crianças em idade escolar possuem deficiência auditiva leve e 2% deste universo precisa usar aparelhos de amplificação sonora. "É importante lembrar que até 75% das deficiências auditivas podem sim ser identificadas ainda na maternidade, com a realização do teste da orelhinha", exalta Rita. 

Esse exame ajuda a fazer o diagnóstico precoce, ampliando as chances da criança de ter uma vida saudável mesmo com a presença de algum problema auditivo. 

Demais estudos apontam que 60% dos distúrbios de comunicação estão relacionados com a deficiência auditiva – e que 90% dos casos têm sucesso no tratamento. "Existem várias estratégias para tratar a perda de audição, mas a prevenção é a forma mais eficaz de preservar a saúde auditiva. A exposição a barulhos intensos é uma das causas mais frequentes de deficiência auditiva e há inúmeras maneiras de prevenir os danos causados pelos ruídos, mas poucas para reverter às lesões", ressalta. 

A exposição a ruídos intensos ocorre diariamente, desde o barulho do trânsito, aviões, construções, aparelhos de som, eletrodomésticos, etc. podem ser responsáveis pelos problemas de audição. 

O som alto compromete as células sensoriais que estão localizadas dentro do ouvido, deixando como consequência a perda auditiva. O organismo não é capaz de fazer a reposição dessas células e nem de regenerá-las quando sofrem alguma alteração, por isso a deficiência auditiva é irreversível.

"Além da perda de audição devido aos ruídos, o indivíduo pode apresentar zumbido e alguma forma de intolerância para sons. Os sintomas da redução da audição são sutis e percebidos somente quando o quadro já está em um estágio avançado. Por isso cuidar da audição é tão importante. Ela não se regenera sozinha e, assim que qualquer pessoa sentir o primeiro sintoma de perda auditiva, ela deve procurar um médico imediatamente", conclui.

Dra. Rita de Cássia Cassou Guimarães (CRM 9009)
Otorrinolaringologista, otoneurologista, mestre em clínica cirúrgica pela UFPR